Amizade de Adolescente

No Dia do Amigo, eu lembrei de um texto que eu escrevi sobre amizade, quando tinha 14 anos.

Lá fui eu, revirar a montanha de cadernos que guardo (e que só cresce, pois apesar do computador, da Internet e do Evernote, continuo sem me separar do papel), até encontrar o bendito. Aqui está ele (e é pior, estilisticamente falando, do que eu lembrava):

Amizade de Adolescente

O tempo passa e não se detém no dia de hoje, não nos espera. O que nos resta é apenas a esperança de um jamais e as lembranças que ficam dos sonhos que deixamos e das pessoas que amamos. A vida nos ensina a ser duros de coração e a não termos sentimentos. A única coisa que permanece sempre, mesmo que a vida pareça não ter valido à pena, são as lembranças.

Hoje estamos juntos, com os mesmos sonhos, o mesmo entusiasmo pela vida, as mesmas descobertas. Isso também vai passar um dia. Talvez nos separemos, pois nada é para sempre.
No futuro, quais lembranças teremos do momento que vivemos agora?

Quero lembrar de vocês para sempre. E quero que lembrem de mim. Quero que terminemos o caminho juntos, porque juntos vivemos o tempo dos nossos melhores sonhos. Para que esses sonhos não se percam. Mas, acima de tudo, porque considero vocês meus amigos.

Acima de tudo.

Julho – 91

Após reler o texto, fiquei pensando em como ele seria, se fosse escrito hoje. E em quantas coisas eu estava certa ou errada, nas coisas que escrevi.

Eu estou vivendo agora o futuro do qual essa menina falava. Será que ela se decepcionaria, ao ver como as coisas aconteceram? Será que ela teria orgulho da pessoa que se tornou?

Hum, este assunto acaba de se tornar mais profundo do que eu pretendia. Com licença, vou meditar um pouco sobre isso – e volto no próximo post.

Imagem: Amir K.

Anúncios